Um dia na ilha de Boipeba, Bahia

Viagens

Um dia na ilha de Boipeba, Bahia

Sabe aquelas ilhas desertas dos filmes que a gente sempre deseja conhecer? Uma coisa meio Náufrago, A Ilha ou Lost (sem urso polar)? Então, Boipeba é tipo isso, um paraíso escondido no centro da Bahia. Não tem como passar um dia só. Nós ficamos sete, e foi o ideal, nem muito nem pouco – apesar de todo dia eu sonhar que morava naquele lugar.

Rodeada por coqueiros, Boipeba faz parte do município de Cairu, e pra chegar lá só por um rolê via ferry boat + busão + lancha, saindo de Salvador, ou voando (se você tem uns $ sobrando). Não existe carro na ilha, e você vai de um lugar pra outro a pé, de lancha ou de trator (!). Ah, o sinal do 3G é super fraco também, e quase nenhum lugar tem wifi, então vá preparado pra um delicioso detox digital.

Processed with VSCO with hb2 preset

Processed with VSCO with hb2 preset

Se você se hospedar pela Velha Boipeba, o vilarejo com mais ~agito, comece seu dia tomando uma água de coco natural e geladinha com uma tapioca de raiz na pracinha da cidade. Por lá tem várias tendinhas que vendem tapiocas, acarajés e caipirinhas com frutas locais e, pros paulistas, exóticas, pra quem já quiser começar os trabalhos alcoólicos logo de manhã :P

Nós ficamos nessa linda casinha da foto abaixo, esse Airbnb aqui, que fica mais isolada e distante do centro, perto da praia de Tassimirim.

Processed with VSCO with hb2 preset

Desça até a beira do rio e caminhe em direção a Moreré. Passe bastante filtro solar, porque o sol bate forte e a caminhada é de mais de 8km. Ao longo do caminho, dá pra ver uma praia mais linda que a outra. Mas as maiores dessa trilha são a Tassimirim, linda demais e com mar mais calmo, quase uma piscina, e a da Cueira, onde rola um pequeno surf e dá pra catar bastante conchinha. Nessa última tem barraquinhas, cadeiras de praia e um restaurante, então quem quiser repor as energias, pode fazer uma parada por ali.

Processed with VSCO with hb2 preset

Seguindo o trajeto, você vai passar pelo rio Oritibe, e entrar numa mini trilha pela mata, muito linda, cercada de coqueiros, grama verde, vacas, cavalos e burrinhos. Logo na saída você já consegue avistar as piscinas naturais, e um bar flutuante que passa parte do dia por lá, vendendo caipifrutas pros turistas. Se a maré estiver bem baixa, talvez você consiga caminhar até elas. Mas o pessoal chega lá com lancha mesmo, através de um passeio que faz a volta na ilha toda e dura o dia todo.

Processed with VSCO with hb2 preset

Chegando em Moreré, tem um pouquinho mais de civilização. Restaurantes, campings, mercadinhos e um mini centrinho. O mar é também uma piscina, transparente, com nada de ondas. E por lá encontramos os melhores bolinhos de aipim do mundo (!!!), eleitos por eles mesmo, o Zé e a Daluz. Tem opção vegetariana e, se pedir sem recheio, vegana também. E uma cervejinha bem gelada combina que é uma beleza. Ou até umas caipirinhas na barraca do Giba, que também é legalize.

Processed with VSCO with hb1 preset

Processed with VSCO with hb2 preset

Com o estômago forrado, cruze mais uma trilha, bem verde, e siga a caminhada até a próxima praia, a do Bainema. Igualmente bela, mas bem mais deserta, é um lugar legal pra curtir uma sombrinha, e dar uns mergulhos.

Se ainda estiver com fôlego, caminhe mais um bocadinho até a praia dos Castelhanos, na minha opinião, a mais maravilhosa da ilha. Não é a toa que muita gente diz que Boipeba é o Caribe brasileiro. Chegando em Castelhanos você vai entender o porquê. Ali não tem casa nenhuma, nem pousada, nem restaurante. Só umas 3 barraquinhas que vendem pastel e caipirinha, e a galera que tá ali oferecendo essas delícias caminha todo dia 2 horas pra ir e voltar da Cova da Onça e poder ~alimentar os turistas. Há boatos que recentemente a Globo comprou todo o terreno dessa praia e em breve pretende construir um resort. Então visite esse paraíso enquanto ainda é tempo.

Processed with VSCO with hb2 preset

Processed with VSCO with hb2 preset

Você já caminhou tanto e a maré já deve estar subindo, então é hora de voltar, se não você não vai conseguir mais andar pela beira da praia, porque, dependendo da maré, o mar sobe bastante, viu?

Se estiver sem forças pra voltar a pé, pode pegar um trator em Moreré. Mas, olha, a caminhada de volta é ainda mais gostosa, porque o sol já tá bem mais baixo e começa a iluminar os coqueiros, deixando eles todos dourados e com um visual mágico.

Se quiser finalmente bater um rangão, porque só petiscou o dia inteiro, a dica é parar na barraca do Bobó, que fica entre a praia da Cueira e Tassimirim. Na nossa humilde opinião, o melhor restaurante da ilha, muito fofo, tudo preparado na hora e com preços um pouco mais camaradas.

Processed with VSCO with hb1 preset

Processed with VSCO with hb1 preset

Faça a digestão na praia logo ao lado, que vira quase um laguinho com água bem quente e rodeada por pedras. Depois caminhe em direção ao pôr do sol, que se põe na Boca da Barra (de onde você saiu de manhã) bem no rio, e deixa o céu num degradê fantástico. Se der sorte, você vai se divertir com os cachorros da ilha que aproveitam esse horário pra tomar um último banho de mar por ali.

Processed with VSCO with hb2 preset

Processed with VSCO with hb2 preset

Processed with VSCO with hb2 preset

Quando a noite chegar, nada de ficar em casa. Pegue a lanterna e um vinho, e volte pra beira da praia. O céu estrelado vai encher seus olhos, e se a lua estiver cheia, é só desligar tudo que a luz já vai ser mais que suficiente. Deite na areia e agradeça pelo seu dia e a oportunidade de estar num dos lugares mais fantásticos desse planeta.

P.S.: Boipeba é do ladinho de Morro de São Paulo, então caso esteja planejando uma visita por lá, não deixe de incluir esse pedacinho especial no seu roteiro.

babi

babi

Calçados veganos e ecológicos, feitos a partir do reaproveitamento de roupas vintage.