O que fazer com o isopor nosso de cada dia?

Meio Ambiente

O que fazer com o isopor nosso de cada dia?

É difícil se ver livre do isopor. É um material presente em tudo, da construção civil às bandejinhas e embalagens de comida vendidas em mercados e até feiras. É prático, barato, levinho, fácil de produzir, mas um desafio quando se fala em descarte e reciclagem.

 

Se você fizer uma pesquisa rápida na internet, vai encontrar várias fontes falando que o isopor é 100% reciclável. Isso é verdade, porque é um tipo de plástico chamado poliestireno expandido (vulgo EPS). Mas apesar de ser reciclável, em especial aqui no Brasil essa não é a realidade da maioria do isopor descartado. E dois dos principais empecilhos são o baixo valor econômico e o encaminhamento na hora do descarte.

 

O isopor é um dos maiores poluidores dos oceanos. É o que diz o relatório The Plastics BAN – Better Alternatives Now, lançado em 2016 por um grupo de ONGs nos Estados Unidos. O material é leve e voa facilmente. Quando descartado do jeito errado, se aventura e sai por aí indo parar em lagos, rios e mares, onde fica boiando e é engolido por animais. Pode entupir canos e bueiros, ajudando a piorar questões de alagamentos e enchentes nas cidades.

976229_10200303473847006_1957265277_o

Para catadores e cooperativas de reciclagem de plástico em geral, o isopor não é muito atrativo. Precisa de processos e um maquinário específico para reciclagem, além de ser muito leve (o negócio é só 5% ou 2% plástico de fato, o resto é ar!) e volumoso. Recicladores trabalham com peso, e juntar um peso considerável de isopor significa caminhões lotados e uma infraestrutura que eles não têm. Outra coisa que a gente precisa lembrar é que, como mostrou essa pesquisa, apenas 18% dos municípios brasileiros têm coleta seletiva de lixo. 85% dos brasileiros não têm acesso a uma separação correta dos resíduos. Por conta disso, na maioria das casas – e empresas – o isopor vai no lixo comum e daí para aterros e lixões. E por ser um plástico, não é biodegradável. Fica lá por centenas de anos.

 

A Associação Brasileira do Poliestireno Expandido (Abrapex) dá conta de cerca de 60 mil toneladas de isopor produzidas todo ano no Brasil, mais umas 2 toneladas que chegam através de importações. Pensa, é muita coisa. Se isopor é aquela coisa levinha, imagina a quantidade que você precisa pra chegar a 60 mil toneladas.

 

Mas a boa notícia – a gente sempre traz essa parte, já reparou? – é que hoje já existe, e em crescimento, o setor de empresas que reciclam isopor. Elas se responsabilizam por abrir pontos de coleta e fazer parcerias com grandes redes do varejo, além de ONGs e cooperativas de catadores e recicladores. De acordo com a Plastivida – Instituto Sócio-ambiental dos Plásticos, chegamos a uma marca de 34,5% de reciclagem de isopor descartado, ou pós-consumo. Isso graças a um trabalho forte de logística reversa das empresas. Nas usinas de reciclagem, o volume do material é reduzido em até 50 vezes, e vira de grãos a matéria-prima novinha, com 100% de reaproveitamento.

 

Tá, mas e pra onde levar o isopor que tem aí na sua casa? Além de entrar em contato com a prefeitura da sua cidade para descobrir onde é o ponto de coleta mais próximo, você pode sempre se informar na internet. Tem sites que divulgam esses pontos, como o eCycle e o Termotécnica, entre outros.

Top-10-Curious-Cats-Covered-in-Packing-Peanuts-4

Na hora de separar o isopor é importante que esteja seco e limpo, sem restos de cola, tinta ou alimentos – sabe aquela bandejinha que fica toda melecada dependendo da comida que vem ali? Se esses resíduos não saírem, já inviabiliza a reciclagem. O material tem que estar inteirinho pra ser limpo e esfarelado no processo de reciclagem, de onde vai sair novinho em folha.

 

Mas mais importante de tudo é lembrar que por ser um plástico, a produção do isopor depende do petróleo, fonte não renovável de matéria-prima. Então além de fortalecer a reciclagem, o ideal é reduzir ao máximo o consumo. Se tiver a opção embalagem de papelão, prefira essa, sempre. Se tiver como comprar sem embalagem nenhuma, melhor ainda. Em caso de alimentos que precisam ser pesados, a gente já deu a dica aqui. Você pode levar o seu saquinho de tecido ou reaproveitar sacolas plásticas que já tenha em casa.

 


Insecta Shoes

Insecta Shoes

Calçados veganos e ecológicos, feitos a partir do reaproveitamento de roupas vintage.

1 comment

  1. cadê a receita do bobó de palmito?????

Comments are closed.